Arquidiocese de Botucatu

Artigos › 07/04/2020

Como manter a alegria na família em meio às adversidades

20999-1

Você pode perguntar a quem estiver ao seu redor, e as lembranças mais felizes de infância serão os momentos de estar simplesmente em família. Não há necessidade de muitos gastos. Um jogo de tabuleiro, um piquenique improvisado na sala, um filme assistido com a família até tarde da noite. Quais podem ser então as raízes profundas dessa alegria tão simples? Elas não buscam o simples prazer ou agitação, pois a alegria não depende de circunstâncias externas, nem de um temperamento otimista.

Se cremos no que disse São Paulo (Gl 5, 20), a verdadeira alegria vem de Deus e do irmão, e é um fruto do Espírito. Ela nasce do nosso relacionamento amoroso com Deus e reflete nossa unidade interior. Desejar viver a alegria em família em um contexto tão sombrio é desafiador e pode até parecer uma forma de delíquio ou ingenuidade. No entanto, este é o mandamento bíblico: “Estejam sempre alegres, rezem sem cessar” (1 Ts 5, 16). Sem mistério: se queremos uma família feliz, apenas temos que rezar, constantemente. Mas como fazer isso todos os dias?

Pequenas coisas que ajudam a manter a alegria diariamente

Manter-se em oração não dispensa a necessidade de ter atenção ao ritmo da família. Devem ser feitos arranjos práticos e humanos que tragam alegria e isso depende do tempo que estamos dispostos a investir. Reserve uma hora para fazer um bolo com seus filhos ou montar um quebra-cabeça; pare perto de um ou de outro para ouvi-lo; ajude o outro a florescer. Cabe aos pais planejar momentos em que essa alegria possa surgir, preparar o solo onde ela germinará. “É bom antecipar e separar dias ou noites para gastar tempo juntos, sem esperar que a vontade chegue”, disse Priscilla, mãe. Celebrar eventos importantes também é uma maneira concreta de encantar a vida cotidiana. Qualquer ocasião pode se tornar especial, como aniversários, pequenos progressos ou sucessos. O importante é marcar o caráter excepcional do dia.

Se, apesar de tudo isso, o ânimo da trupe está a meio mastro, as refeições têm um clima pesado, a tensão parece palpável e a tristeza se instala profundamente, é hora de questionar o equilíbrio da nossa vida. “Este é um dos fundamentos da alegria“, diz Agnes, mãe de cinco filhos. Este equilíbrio é diferente para cada família e devemos estar atentos para adaptá-lo de acordo com as idades e a evolução dos filhos, para que cada um possa ser plenamente si mesmo e desenvolva seus talentos. É preciso prestar atenção para garantir que ninguém sofra, que não haja fadiga ou frustração. “A coisa mais importante, continua Agnes, é a alegria na vida cotidiana. A festa terá sucesso se a vida cotidiana for alegre. Para isso, é absolutamente necessário ser capaz de surpreender e ter grande liberdade. A alegria é recebida, mas também é decidida“.

Incentivar a fantasia, preparar uma refeição original, começar a dançar juntos depois do jantar, e aceitar também as iniciativas das crianças, tantas vezes contidas por medo de excessos. Acrescente a isso uma boa dose de humor e risadas. Pais e filhos mais velhos também adoram esses momentos de descontração. Os filhos mais velhos gostam de contar aos pais quais são seus filmes, séries ou humoristas favoritos, isso é importante para eles.

Viva as festas litúrgicas plenamente

Às vezes é melhor fechar os olhos para um quarto mal arrumado ou uma roupa amassada quando se fala de um adolescente. “O que é melhor”, pergunta Charlotte, “uma casa cheia, animada e alegre, com um pouco de desordem, ou uma casa perfeitamente arrumada de onde as crianças fogem porque a atmosfera é dominada pela reprovação?“

Como famílias cristãs não devemos hesitar em viver plenamente as festas litúrgicas, as festas de nossa grande família, que é a Igreja. Sem esquecer, é claro, a primeira celebração semanal: o domingo. Os pais devem fazer todo o possível para torná-lo o melhor dia da semana, como um dia de alegria a não perder, com uma boa refeição ou uma atividade coletiva. Que o domingo não seja dia de lição de casa, ou um dia morto em que as crianças ficam entediadas. O tempo litúrgico nos permite colorir o ano.

Para sobreviver espiritualmente durante o tempo de confinamento, a Aleteia oferece um tesouro de recursos dos quais você não deve hesitar em explorar. Você pode receber diariamente o Evangelho do dia, a oração da manhã e a oração da noite, de acordo com a Liturgia das Horas. Aos domingos e dias de festa, você também encontrará o guia e o ritual para organizar em sua casa uma celebração da palavra muito bonita e envolvente e um convite para meditar no Evangelho do dia com um grande artista. E finalmente, todos os dias que Deus faz, você encontrará muitos bons conselhos e sugestões.

O perdão evita guardar sentimentos ruins

Um coração feliz também vem do amor dos nossos pais. Vê-los se amarem profundamente encanta jovens e idosos, mesmo que demonstrem menos. Este é o segredo da alegria da família. Uma criança que experimentou o amor, esbanjará alegria ao seu redor. Outra fonte de alegria é o perdão. Evita armazenar feridas e ressentimentos que envenenam a vida familiar e, libera a alegria.

É papel dos pais fazer fluir essa alegria. Isso requer que os pais vivam no presente, aceitem a vida como ela se apresenta, pois Deus permite que seja assim. As crianças sentem essa força interior, que as acalma. Com a paz, outro fruto do Espírito, a alegria pode se firmar. “Agradeço constantemente”, diz Charlotte de forma simples, “e expresso isso na frente dos meus filhos para que um dia eles possam fazer o mesmo“.

Por Florence Brière-Loth, via Aleteia

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.