Arquidiocese de Botucatu

Notícias › 17/12/2019

Papa aos idosos: tempo de doação e de diálogo

cq5dam-thumbnail-cropped-1000-563-2

O Papa Francisco se encontrou na segunda-feira (16) com a Associação Nacional dos Trabalhadores Idosos. O Papa centralizou seu discurso sobre dois pontos importantes sobre a velhice definindo-os como tempo da doação e tempo do diálogo.

Tempo da doação

Sobre o tempo da doação, Francisco recordou que as pessoas idosas não são um peso, mas um recurso e uma riqueza, e isso pode ser demonstrado pela sua “contribuição às atividades de voluntariado, ocasiões preciosas para viver a dimensão da gratuidade”. Estimulando os idosos ao voluntariado o Papa disse:

“Comprometer-se no voluntariado promove o chamado ‘envelhecimento ativo’, contribuindo para melhorar a qualidade de vida pois lhe faltam dimensões importantes da própria identidade, como o papel de pais e o profissional com a aposentadoria”

Francisco afirma que o desafio para a sociedade nos próximos anos será “promover com eficácia cada vez maior os recursos humanos dos idosos presentes nas suas comunidades”. Pois os idosos devem ser considerados como ativos protagonistas e não mais apenas como objeto de intervenções assistenciais.

Tempo do diálogo

O segundo aspecto: a velhice como tempo do diálogo, o Papa pondera:

“O futuro de um povo supõe necessariamente um diálogo e um encontro entre idosos e jovens para a construção de uma sociedade mais justa, mais bela, mais solidária, mais cristã”

“Os jovens – continua o Papa – são a força do caminho de um povo e os idosos rejuvenescem esta força com a memória e a sabedoria”.

O Papa recorda também que a “a velhice é um tempo de graça, na qual o Senhor nos renova o seu chamado nos chama a preservar e transmitir a fé, nos chama para rezar, especialmente interceder; nos chama a estar ao lado dos que necessitam”.

Contrastar a “cultura do descarte”

Reunindo ambas considerações o Papa Francisco conclui:

“Considerando e vivendo a velhice como o tempo da doação e o tempo de diálogo, pode-se contrastar o estereótipo tradicional do idoso: doente, inválido, dependente, isolado, assediado pelo medo, com identidade frágil perdendo com isso seu papel social”

Agindo deste modo evita-se de focar a atenção geral sobre custos e riscos da presença de idosos, valorizando seus recursos e potencialidades.

Por fim o Papa considera que unindo a riqueza dos jovens e dos idosos contrasta-se a venenosa “cultura do descarte”, sendo chamados assim a “construir com tenacidade uma sociedade diversa, mais acolhedora, mais humana, mais inclusiva, que não precisa descartar os frágeis de corpo e de mente, ao contrário, uma sociedade que mede seu próprio passo justamente com estas pessoas”.

Via CNBB

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.