Arquidiocese de Botucatu

Artigos › 02/01/2019

Papa em 2019: desafios, encontros e viagens

 

O novo ano será para o Papa Francisco pleno de atividades, encontros e desafios. Assinalamos aqui algumas dessas etapas.

Viagens Apostólicas

Neste Ano Novo ganha relevo a agenda já bem preenchida do Papa Francisco para 2019. Estão já assinaladas quatro Viagens Apostólicas: o Panamá neste mês de janeiro para as Jornadas Mundiais da Juventude, de 25 a 27; em fevereiro, de 3 a 5, o Santo Padre viajará até aos Emiratos Árabes Unidos; Marrocos será a etapa do mês de março, nos dias 30 e 31 e em maio o Papa viajará na Europa visitando a Bulgária e a Macedónia.

Encontro sobre proteção dos menores na Igreja

Entretanto, muito aguardado no Vaticano neste novo ano será o encontro agendado para os próximos dias 21 a 24 de fevereiro. O Papa convocou um grande encontro para debater o tema da “proteção dos menores na Igreja”. Estarão presentes os presidentes das várias conferências episcopais, os chefes das Igrejas católicas orientais, os superiores da Secretaria de Estado do Vaticano, os prefeitos das várias congregações e dicastérios da Cúria Romana e os representantes dos institutos religiosos.

O Papa Francisco referiu-se de forma clara e incisiva a este tema, que tanto tem atormentado a Igreja, no passado encontro de saudações natalícias no Vaticano com a Cúria Romana, tendo afirmado que é fundamental erradicar da Igreja Católica aqueles que, a coberto da sua consagração a Deus, “abusam dos fracos, valendo-se do seu poder moral e de persuasão”.

“Ministros, que dilaceram o corpo da Igreja, causando escândalos e desacreditando a missão salvífica da Igreja e os sacrifícios de muitos dos seus irmãos” – frisou o Papa.

Francisco afirmou que não haverá lugar na Igreja Católica para situações de pedofilia, para “lobos vorazes”, cujos atos “deformam o rosto da Igreja, minando a sua credibilidade”.

O Santo Padre dirigiu-se diretamente aos membros do clero que abusam de menores, citando palavras de Cristo:

“E a quantos abusam dos menores, gostaria de dizer: convertei-vos, entregai-vos à justiça humana e preparai-vos para a justiça divina, lembrando-vos das palavras de Cristo: «se alguém escandalizar um destes pequeninos que creem em Mim, seria preferível que lhe suspendessem do pescoço a mó de um moinho e o lançassem nas profundezas do mar” – afirmou Francisco.

A este propósito, em 2018 foram motivo de grande preocupação para o Papa situações difíceis como aquela que o Santo Padre viveu com a atitude de encobrimento de bispos do Chile perante denúncias de abusos sexuais.

Para este grande evento de fevereiro no Vaticano, sobre a proteção dos menores na Igreja, foi nomeada uma comissão organizadora com os seguintes elementos: o cardeal Blase J. Cupich, de Chicago (EUA); o cardeal Oswald Gracias, de Bombaim (Índia); D. Charles Scicluna, arcebispo de Malta e secretário-adjunto da Congregação para a Doutrina da Fé e o padre Hans Zollner, presidente do Centro para a Proteção de Menores da Universidade Pontifícia Gregoriana.

Esta Comissão Organizadora já fez saber aos bispos, que vão participar neste grande encontro de fevereiro, que será importante receberem as vítimas de abusos antes de rumarem ao Vaticano.

Sínodo Pan-Amazónico

Um dos acontecimentos mais aguardados em 2019 será o Sínodo Pan-Amazónico que decorrerá no Vaticano durante o mês de outubro. Recentemente, o cardeal brasileiro Claudio Hummes enviou uma mensagem de encorajamento a todos os que estão envolvidos na preparação deste Sínodo, como noticiou o Vatican News. O purpurado que é presidente da REPAM, a Rede Eclesial Pan-Amazónica, agradece a dedicação de todos os que estão a preparar este Sínodo e realça a importância de escutar o povo, os seus sofrimentos e reivindicações, procurando novos caminhos para o futuro.

“Vocês que estão ali, no dia-a-dia, no trabalho, e tendo a alegria de se encontrar com o povo, com os indígenas, com o povo ribeirinho, esse povo muitas vezes esquecido, sofrido, abandonado, injustiçado, explorado. Vocês estão tendo essa grande oportunidade de estar aí, juntos, e este povo está podendo sentir que, através de vocês, a Igreja está querendo escutá-los, seus sonhos, sofrimentos, reivindicações” – diz o Cardeal Hummes na sua mensagem.

Até ao mês de dezembro de 2018, já foram realizadas, no Brasil, 19 assembleias territoriais, que são os encontros de escuta promovidos pela REPAM-Brasil, em parceria com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e ainda as dioceses e outros organismos da Igreja.

Outras atividades que fizeram parte deste processo foram as Rodas de Conversa. Estes encontros menores envolveram 57 grupos em toda a Amazónia brasileira. Foram escutadas as comunidades indígenas, agentes de pastoral, conselhos, congregações religiosas e outros grupos.

Considerando toda a região Pan Amazónica foram cerca de 120 eventos de preparação do Sínodo, entre assembleias e rodas de conversa realizadas em países como a Bolívia, o Brasil, a Colômbia, o Equador, o Peru e a Venezuela.

Todos os contributos serão organizados até ao mês de fevereiro e enviados para o Vaticano para ser redigido o Instrumentum Laboris para a Assembleia Sinodal. O Sínodo Pan-Amazónico está a ser aguardado com grande expectativa e poderá vir a formular importantes novidades pastorais.

Em 2019, o Papa Francisco terá uma agenda bem repleta de atividades e alguns desafios para enfrentar em etapas bem intensas e repletas de encontros. E começa já em janeiro com a Viagem ao Panamá para as Jornadas Mundiais da Juventude.

Fonte: vaticannews

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.