Arquidiocese de Botucatu

Quaresma e Fraternidade

A Quaresma é um tempo de conversão, penitência, oração e esmolas, para nos prepararmos para celebrar o grande mistério da Ressurreição do Senhor. A Igreja no Brasil, incentivando-nos a esses exercícios espirituais, convida-nos também, todos os anos, nesse período quaresmal, a um gesto concreto na área caritativa e social, através da Campanha da Fraternidade.

“Durante quarenta dias”, escreve o Papa Francisco em sua mensagem, “somos convidados a refletir sobre o significado mais profundo da vida, certo de que somente em Cristo e com Cristo encontramos resposta para o mistério do sofrimento e da morte. Não fomos criados para a morte, mas para a vida e a vida em plenitude, a vida eterna (cf. Jo 10,10)”.

“Alegro-me que, há mais de cinco décadas, a Igreja do Brasil realize, no período quaresmal, a Campanha da Fraternidade, anunciando a importância de não separar a conversão do serviço aos irmãos e irmãs mais necessitados”.

A Campanha da Fraternidade desse ano tem como tema “Fraternidade e vida: dom e compromisso” e como lema “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10, 33-34), passagem do Evangelho que nos lembra o exemplo de caridade do Bom Samaritano: “Vai e faze tu o mesmo”, nos ensina Jesus. O cartaz da campanha traz a imagem da Santa Dulce dos Pobres, cuidando dos necessitados, exemplo concreto de caridade que devemos imitar.

Este tema “Fraternidade e vida”, alerta-nos sobre o valor da vida, dom de Deus, e da nossa responsabilidade e compromisso de cuidar dela em todas as suas instâncias. Bela ocasião para se recordar a doutrina da Igreja contra o aborto e a eutanásia. E o Papa nos ensina que “a superação da globalização da indiferença só será possível se nos dispusermos a imitar o Bom Samaritano (cf. Lc 10, 25-37). Esta Parábola, que tanto nos inspira a viver melhor o tempo quaresmal, nos indica três atitudes fundamentais: ver, sentir compaixão e cuidar. À semelhança de Deus, que ouve o pedido de socorro dos que sofrem (cf. Sl 34, 7), devemos abrir nossos corações e nossas mentes para deixar ressoar em nós o clamor dos irmãos e irmãs necessitados de serem nutridos, vestidos, alojados, visitados (cf. Mt 25, 34-40)”.

“A Quaresma é um tempo propício para que, atentos à Palavra de Deus que nos chama à conversão, fortaleçamos em nós a compaixão, e nos deixemos interpelar pela dor de quem sobre e não encontra quem o ajude. É um tempo em que a compaixão se concretiza na solidariedade, no cuidado. ‘Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia’ (Mt 5, 7)”.

E Francisco conclui pedindo a intercessão da nossa Santa Dulce dos Pobres, “que foi apresentada pelos Bispos do Brasil como modelo para todos os que veem a dor do próximo, sentem compaixão e cuidam” para que a “Quaresma e a Campanha da Fraternidade, inseparavelmente vividas, sejam para todo o Brasil um tempo em que se fortaleza o valor da vida, como dom e compromisso”.

Dom Fernando Arêas Rifan (Bispo da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney) http://domfernandorifan.blogspot.com.br/

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.